sábado, 22 de setembro de 2007

Volúpia...

E assim, às vezes me vejo, lembrando o Aquarelas...




No divino impudor da mocidade,
Nesse êxtase pagão que vence a sorte,
Num frémito vibrante de ansiedade,
Dou-te o meu corpo prometido à morte!

A sombra entre a mentira e a verdade…
A nuvem que arrastou o vento norte…
— Meu corpo! Trago nele um vinho forte:
Meus beijos de volúpia e de maldade!

Trago dálias vermelhas no regaço…
São os dedos do sol quando te abraço,
Cravados no teu peito como lanças!

E do meu corpo os leves arabescos
Vão-te envolvendo em círculos dantescos
Felinamente, em voluptuosas danças…

(Florbela Espanca)



10 comentários:

Lisa disse...

Florbela... uma poesia destilad�ssima, maravilhosa. De muito bom gosto.

Prazer, Lisa. Posso vir mais vezes?

Márcia(clarinha) disse...

Nessa volúpia de ser que tenho meus momentos melhores...
AH! Florbela, dona das palavras!
lindo findi,flor

Anônimo disse...

Amiga, como sempre mais uma poesia belíssima, mas responde a uma curiosidade: Como conseguiste me fotografar?rsrsrsrsrsr
Eliete

crisblog disse...

Às vezes, Mari, gostaria de colocar umas fotos assim no meu blog. E olhe que encontro cada uma... rsrs...não sei porque me reprimo tanto!

Beijos.

Mari disse...

Lisa,

Obrigada, adoro as poesias de Florbela, e claro que você pode vir quando quiser, fique à vontade.

Obrigada pela visita.

Abraços

Mari disse...

Márcia,

A volúpia nossa de cada dia...

Bjs

Mari disse...

Eliete,

Nesse ângulo deu para fotografar, rsrsrs

Bjs amiga.

Mari disse...

Cris,

Não se reprima, não se reprima, Menudo pra ti tá, rsrsrsrs

Amiga eu busco uma poesia para aliar a imagem de forma que não fique vulgar. A vulgaridade choca, assim acho...bem como detesto...

Bjs

Direito & Esquerdo disse...

Mari,

Mais bonita que a poesia, só a tua foto artística.
Beijoca
Bruno

Mari disse...

Bruno,

Apesar de linda a fotografia, ainda sou mais a poesia tá, rsrsrs

Bjs